Enio Squeff, o pictórico e o crítico

O artista, que há 30 anos confessou ao seu professor João Rossi que se recusava a começar a pintar “por ter medo de nunca mais parar,” apresentará noturnos, nus, paisagens e retratos na galeria Pintura Brasileira, no Jardim Paulistano, em São Paulo.

Na exposição, que começa dia 6 de abril, Enio Squeff apresentará mais de trinta obras reunindo os muitos gêneros da sua intensa produção sobre pincéis e tintas, nos quais, além de óleos sobre tela, alinham-se a têmpera e a aquarela sobre papel.

Desde que começou a dar suas primeiras vigorosas pinceladas, Enio Squeff confessa não ter passado um só dia sem desenhar ou pintar.

Ilustrador reconhecido no Brasil, Espanha e Portugal (são centenas de obras ilustradas ao longo de sua carreira), o trabalho de Enio Squeff recebeu elogios recentes da crítica dos países ibéricos em razão das ilustrações feitas para as traduções para espanhol e catalão do livro “K”, de Bernardo Kucinski, recém lançado na Europa e para o livro do português Pedro Almeida Vieira (O profeta do castigo divino), lançado em 2012.

Seu mais recente trabalho como ilustrador são os mais de 400 desenhos feitos “alla prima” sobre os sonetos do poeta renascentista Petrarca – num livro a sair pela Ateliê em co-edição com a Unicamp.

Reconhecido por muitos de seus colegas artistas como “um pintor para pintores”, Enio Squeff já expôs no exterior (Colômbia, Alemanha, Portugal) e vem se dedicando à temática que lhe inspira: a cidade de São Paulo e a Vila Madalena, onde mora e mantém seu ateliê.

Sua mais recente produção é a série “Noturnos”, cenas das noites, principalmente paulistanas, em que a poética sugerida por Chopin – uma de suas paixões musicais – é explorada na sua visão muito particular de interiores, bares e paisagens urbanas.

“Ainda que não seja uma retrospectiva, todas as telas da mostra constituem uma espécie de inventário do que conduziu minhas primeiras experiências em aquarela, até chegar ao óleo”, diz Enio.

Para o curador e pesquisador de arte, Gilberto Habib Oliveira, Enio Squeff tem uma conexão evidente com a história da pintura paulista. Embora suas telas contestem o suporte tradicional, como, por exemplo, ao fazer a pintura ele “invade” as próprias molduras, sua fidelidade ao pictórico seria uma espécie de preito à arte em sua história.

Enio Squeff
Galeria Pintura Brasileira
Rua Groenlândia, 530 – Jd. Paulistano – São Paulo.
Abertura: 6 de abril, 11h30.
Exposição: Até 20 de abril

Comentários